• pt-br
+55 (48) 3239-2000
comercial@certi.org.br
  • pt-br

Indicador OEE: por que adotar MES otimiza o desempenho

COMPARTILHE ESSE POST:

Quanto tempo cada máquina da sua indústria fica parada? Qual o motivo dessas paradas: setup, manutenção, falta de materiais? Qual é o rendimento diário desses equipamentos? Quão eficientes são os processos produtivos?

Se as respostas para essas perguntas forem uma incógnita, então temos um problema. Para garantir a eficiência e a alta produtividade, é preciso que essas questões sejam monitoradas e registradas. E isso é feito por meio de métricas e indicadores, sendo o mais importante deles o indicador OEE.

Eficiência Operacional na Indústria: quais são os desafios

Quando falamos da eficiência operacional na indústria, a realidade ainda nos mostra muitos desafios a serem superados.

Embora muito se fale de indústria 4.0 e de sistemas e tecnologias que possibilitam uma precisão nunca antes vista no processo produtivo, fato é que muitas empresas ainda nem sequer medem a eficiência da sua cadeia de produção.

Não é raro nos depararmos com indústrias em que a marcação dos registros é feita manualmente. Mais do que o risco de falta de exatidão nas informações, corre-se o risco de imprecisões que podem gerar perdas e atrasos na produção.

O simples fato de um trabalhador não compreender a letra do colega que fez os registros no turno anterior ou um operador que não anota o momento preciso (com minutos e segundos) em que uma máquina ficou sem funcionar já podem gerar perdas.

Esse tipo de comportamento, ainda muito comum, faz com que não haja um parâmetro claro de eficiência nas empresas. E ainda pior: abre brechas para manipulações, seja por má-fé ou falha humana.

Além das perdas, o resultado disso são máquinas e equipamentos que não trabalham em todo seu potencial produtivo. E isso impacta, por exemplo, no retorno sobre o investimento (ROI), que demora mais a acontecer.

O que é OEE: Overall Equipment Effectiveness

OEE significa Overall Equipment Effectiveness ou Eficiência Global do Equipamento. Trata-se de um indicador utilizado em processos de TPM (Total Productive Maintenance ou Manutenção Produtiva Total) que mede o desempenho das máquinas e equipamentos utilizados na indústria.

Essa medição acontece com base em três fatores:

  • Disponibilidade: o tempo útil que o equipamento tem para funcionar e quanto tempo ele permanece ocioso, seja por quebra, falha, necessidade de regulagem ou perdas, é relacionado com paradas não programadas.
  • Performance: trata-se da eficiência demonstrada durante o funcionamento, ou seja, a capacidade de produzir daqueles equipamentos, considerando-se pequenas paradas ou quedas na velocidade de produção, é relacionado com variação do tempo de ciclo.
  • Qualidade: o nível de qualidade obtido pelo processo de produção do qual aquele equipamento específico participa, levando-se em conta o refugo (produtos com falhas) e retrabalhos.

O indicador OEE é medido em porcentual. Idealmente, portanto, seu resultado deveria ser igual a 100%, o que significaria que não houve perdas em nenhuma das três dimensões analisadas.

Por conta da dificuldade – para não dizer impossibilidade – de chegar a esse resultado, foi criado o chamado World Class OEE, índice que pode ser utilizado como benchmark para que as empresas possam comparar seus resultados.

O World Class OEE estipula os seguintes valores mínimos:

  • Disponibilidade: 90%;
  • Performance: 95%;
  • Qualidade: 99%.

Juntos, o produto desses valores resulta em um indicador OEE de 85%, o que indica que a indústria está operando em alta performance.

Indicador OEE: por que é importante para a indústria

O indicador OEE auxilia na redução de perdas e prejuízos, sejam eles por conta do tempo parado das máquinas, por desempenho aquém do esperado ou por perdas de produtos.

Com isso, ele permite uma maior controle sobre a produtividade das máquinas e proporciona melhorias importantes na produção e no planejamento das empresas, possibilitando a criação de estratégias para a otimização dos processos no chão de fábrica.

Entre suas vantagens, destacamos:

  • Aumento da qualidade de fabricação;
  • Redução de defeitos de produtos;
  • Diminuição de retrabalhos;
  • Entendimento do impacto de um equipamento na produção;
  • Identificação de possíveis problemas de produção;
  • Identificação de variações de ritmos de produção;
  • Melhor aproveitamento de máquinas e instalações;
  • Melhor planejamento de entregas.

Como fazer o cálculo de OEE

Como vimos, o indicador OEE é medido com base em três dimensões: disponibilidade, performance e qualidade. Para calculá-lo, basta multiplicar os índices que as representam:

OEE = Disponibilidade x Qualidade x Performance

No entanto, antes, precisamos calcular os três índices que entram nessa equação:

Índice de Disponibilidade

Considera o Tempo Disponível (TD), referente ao tempo programado para a produção, e o Tempo Real Trabalhado (TRT), que refere-se às paradas não programadas:

Disponibilidade = TRT / TD x 100

onde,

TRT: Tempo Disponível

TD: Tempo Real Trabalhado

Para ilustrar, vamos considerar que queremos saber os indicadores de uma máquina, que é operada sempre pelo mesmo funcionário, que tem um tempo de preparação de 30 minutos para o início da produção e que no dia em questão ficou parada por falta de material por 10 minutos

Esse funcionário trabalha 8 horas por dia (480 minutos), fazendo 4 horas durante a manhã, um intervalo de almoço e mais 4 horas no turno da tarde.

Como ficaria o cálculo da disponibilidade dessa máquina para um dia de trabalho?

O tempo em produção será de 7 horas e 20 minutos (porque o tempo de preparação é descontado, assim como o de falta de material), o que dá 440 minutos de trabalho por dia.

Então, o cálculo é feito dessa forma:

Disponibilidade = 440 / 480

Disponibilidade = 0,9167 x 100

Disponibilidade = 91,67%

Índice de Performance

Trata-se de uma  relação entre a quantidade de itens produzidos e o tempo de fabricação:

Performance = TP / (TRT / PP) x 100 

onde,

TP: Tempo Padrão

TRT: Tempo Real Trabalhado

PP: Peças Produzidas

No mesmo exemplo e considerando as mesmas dimensões de tempo, a máquina em questão foi projetada para fabricar uma peça a cada 30 segundos, ou seja 0,5 minutos por peça, assim durante os 440 minutos o operador deveria ter produzido 880 peças, porém ele entregou no final do turno 798 peças produzidas.

Fazendo o cálculo, temos:

Performance = 0,5 / (440 / 798)

Performance = 0,9068 x 100

Performance = 90,68%

Índice de Qualidade

Refere-se à quantidade de itens, dentro do todo, que foram produzidos nas especificações certas:

Qualidade = (PP – PRF – PRT) / PP x 100

onde,

PP: Peças Produzidas

PRF: Peças Refugadas

PRT: Peças Retrabalhadas

Seguindo o nosso exemplo, nas 798 peças produzidas foram feitas uma inspeção de qualidade e deste total foram separadas 21 peças com defeitos que deveriam ser refugadas e 17 peças que foram retrabalhadas. Nesse caso, teríamos:

Qualidade = (798 – 21 – 17) / 798

Qualidade = 0,9524 x 100

Qualidade = 95,24%

Índice de Eficiência Global do Equipamento

Nessa situação o OEE seria calculado assim:

OEE = Disponibilidade x Qualidade x Performance

OEE = 0,9167 x 0,9068 x 0,9524

OEE = 79,17%

De que forma o sistema MES pode contribuir

Quando falamos de indústria 4.0 e de trazer mais eficiência para o processo produtivo, o sistema MES é uma das soluções mais assertivas. Essa ferramenta permite controlar processos industriais, conectando e otimizando o fluxo de informações entre o chão de fábrica e a gestão.

O MES é capaz de medir a eficácia geral de equipamentos, uma vez que coleta e apresenta os dados necessários para calcular, com precisão, os índices referentes à qualidade, performance e disponibilidade.

Dessa forma, o sistema contribui para a padronização e para a maior confiabilidade do indicador OEE. O resultado é o fim de falhas na medição e o aumento da eficiência operacional. Conheça o MES CERTI e como podemos ajudar a sua empresa. Fale com nossos especialistas!

COMPARTILHE ESSE POST: